Dr. Claudio Suzuki

Artigos

  • 2018 (6)
  • 2017 (16)
  • 2016 (14)
  • 2015 (40)
  • 2014 (28)
  • 2013 (75)
  • 2012 (108)
  • 2011 (95)
  • 2010 (15)
  • 2009 (1)
  • E-mail
    Imprimir
    PDF

    Evandro Gomes Correia Filho foi condenado, na noite desta quinta-feira (12), a 33 anos e 20 dias de reclusão em regime fechado pelo homicídio de sua ex-companheira Andréia Cristina Bezerra Nóbrega e pela tentativa de matar seu filho, no dia 18 de novembro de 2008.

    Das seis testemunhas de defesa previstas para falarem hoje, cinco foram dispensadas, somente a irmã do acusado foi ouvida.

    O réu se apresentou à Justiça após ficar foragido por cinco anos e foi interrogado durante uma hora e meia. Após os debates, o Conselho de Sentença se reuniu para o veredito e a juíza Maria Gabriela Riscali Tojeira realizou a leitura da sentença às 22 horas.

    Em sua decisão, Maria Gabriela ressalta que as circunstâncias trazidas aos autos evidenciam dolo intenso, tendo em vista que "o acusado, após concretizar o intento homicida, deixou o apartamento onde residiam as vítimas sem sequer olhar para trás e sem demonstrar a menor preocupação com a vida da ex-companheira Andréia, pessoa que um dia amou e com quem compartilhou a vida por muitos anos, e de Lucas, seu próprio filho, que tinha apenas seis anos de idade à época dos fatos, evidenciando, com tal postura, absoluta frieza e total indiferença para com a vida humana".

    Consta ainda na sentença que "a triste e abrupta queda que culminou com a morte de Andréia e com os ferimentos do menor Lucas, embora aparentemente recebida com desprezo pelo acusado - que na pressa de fugir do local, chegou até a empurrar um morador que tentava socorrer as vítimas -, sensibilizou e muito os populares que por lá circulavam, os quais prontamente e de forma até instintiva, logo clamaram por socorro e se posicionaram para auxiliar, no que pudessem, as duas vítimas ali caídas. A indiferença revelada pelo réu, e ostentada publicamente em vídeos exibidos com frequência pela mídia – mídia que também se sensibilizou com o ocorrido e passou a acompanhar o caso - gera perplexidade e exige, nessa primeira fase da dosimetria, uma maior reprovabilidade de sua conduta."

    A magistrada observou que “a vida de uma jovem de trinta e um anos foi ceifada, com insensibilidade e covardia, acarretando uma perda inestimável a seus familiares e insuperável saudade, e privando uma mãe de acompanhar a vida e o crescimento do filho que amava – e amava tanto que entregou a própria vida para protegê-lo -, e que tinha apenas seis anos de idade na época. E mais, em razão da conduta desenvolvida pelo réu, o menor Lucas perdeu a mãe querida, e não bastasse tal sofrimento, intenso por si só, ainda carregará por toda a vida a triste lembrança do evento ocorrido no fatídico dia 18 de novembro de 2008, tendo para sempre a certeza de que foi lançado do apartamento em que vivia, pela falecida mãe, que assim agiu para impedir que tivesse a vida ceifada pelo próprio pai, ora acusado Evandro”, conclui Maria Gabriela.

    Processo nº 0075252-41.2008.8.26.0224   

    Fonte: TJSP

    Você deve se registrar para postar comentários.

    Utilize o ícone de ferramenta no alto da janela para o cadastro.