Dr. Claudio Suzuki

Artigos

  • 2018 (6)
  • 2017 (16)
  • 2016 (14)
  • 2015 (40)
  • 2014 (28)
  • 2013 (75)
  • 2012 (108)
  • 2011 (95)
  • 2010 (15)
  • 2009 (1)
  • E-mail
    Imprimir
    PDF

    A Câmara aprovou ontem um projeto de lei que cria um banco de DNA de criminosos. A ideia é auxiliar nas investigações policiais de crimes praticados com violência.


    A proposta foi aprovada pelo plenário e segue agora para a sanção da presidente Dilma Rousseff.

    Pelo projeto, haverá uma unidade central gerenciadora de vestígios genéticos deixados em locais de crimes, como sangue, sêmen, unhas, fios de cabelo e pele.

    A medida vale para criminosos condenados por violência dolosa, ou seja, intencional, e crimes como estupro, sequestro e latrocínio.

    As informações do banco de DNA serão sigilosas e quem as utilizar para fim diferente do determinado pela Justiça responderá civil, penal e administrativamente.

    Os perfis seguirão normas internacionais de direitos humanos, sem revelar traços somáticos ou comportamentais, só o gênero do investigado ou do condenado.

    A forma como a identificação do perfil genético será armazenada ainda será regulamentada pelo Executivo.

    Autor do projeto, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), disse que o projeto formaliza o que já vem sendo testado no Brasil, por meio do Sistema de Indexação de DNA Combinado.

    Fonte: Folha de São Paulo por MÁRCIO FALCÃO

    Você deve se registrar para postar comentários.

    Utilize o ícone de ferramenta no alto da janela para o cadastro.